terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Mãos que afagam


Amigas
Doces intenções
Quem sabe
Sou de doces intenções, talvez dúbias , confusas, desconexas às vezes
Quem realmente consegue enxergar através dessa nuvem de sentimentos
Verá que não estou a trocar, exigir, e muito menos a ser prepotente

Sou aquele que doa, que precisa também do outro lado
Escrever esta frase, não é fácil, para quem nunca se permitiu precisar de outrem
Quando admito minha fragilidade e a complexidade de meus sentimentos
Quero apenas admitir e a me convencer
"Não és forte o suficiente"
"Não és duro o suficiente"
"Precisas ... Precisas ...."

Escutei durante a minha vida toda,
"Tu és o cara, és duro na queda "
Outras expressões dos mais próximos,
"Olha te conheço , esses olhos verdes revelam a fragilidade de um cristal"
E não poderia esquecer , um comentário de uma palestrante à observar, a dificuldade
que tinha em dar um simples abraço,
"Estranho venha cá, me dá um abraço , nada falou, apenas me abraçou ...."

Abraços não dados, quantos ?
Milhões ..
Vontades contidas
Milhões de minutos desperdiçados no dia a dia
Hoje tenho que admitir, carinhos me faltam

Pergunto-me ainda
Em que momento deixei abraços não me aconchegarem
Realmente não sei, o tempo encarregou de apagar essas lembranças

Agora , sou aquele que procura
Estigma da procura
Simples carência seria simplificar

Amigas, (plural),
Poucas é verdade
Cada uma especial de alguma forma
Cada uma sabe a que parte eu as pertenço

Sou o Fernando,
Hoje não tão duro ou tão forte
Hoje não tão jovem
Sou Fernando
Que se doa, entrega
Sou Fernando
Que também precisa .....