domingo, 1 de fevereiro de 2009

Como queria poder explicar quem sou eu ......


Primeiro fico em dúvida sobre a música de fundo
Companheira inseparável
Para um texto tão pessoal ACDC , ou Sinead O' Connor
Vamos lá a segunda, é mais inspiradora

O maior problema de escrever sobre quem sou , não é descrever-me
Mas, como explicar ......

Se não seria uma auto-biografia, e que acho que não vem ao caso
Afinal que méritos eu teria para tal pretensão
Uma vida que se resume em poucas linhas sem grandes batalhas, prémios ou louvores :

Ter uma filha linda e maravilhosa.
Ex esposa que não sabe o valor que têm .
Amigos fiéis.
Inimigos que nunca conheci.
Sonhos socialistas, igualdade a todos, estudante como Dom Quixote lutando com moinhos de ventos.
Profissionalmente fui um grande guerreiro rs rs rs gerente de banco, lutando com taxas de juros, e com as hipocrisias dos incompetentes e a ganância dos que tudo tem.
Outra profissão, construtor de sonhos, construindo casas para pessoas, e não só vendê-las.
Tantas faculdades e nenhum diploma

Quase no fim de uma biografia, de poucas linhas

Não posso deixar de expor os arrependimentos , mas , por mais que eu queira me culpar, não consigo , se errei nada posso fazer.
Arrependo-me do que não fiz, do que deixei acontecer, do que cedi....
Arrependo-me dos por de sol que não vi, das viagens que não me permeti, e por aí a fora
Mas, como nas biografias devemos ser sinceros , e nada hipócritas (deveria ser assim)
Arrependo-me de não ter feito da minha vida o que eu queria realmente , arrependo-me de ter cedido tantas vezes aos encantos da moeda, do belo, do medo
Principalmente do medo, de não ter arriscado muito mais

Tenho que tomar cuidado se não essa auto biografia será de arrependimentos... que fútil vida !

Por outro lado
Lutei muitas vezes contra tudo , e contra todos
A fim de criar um caminho só meu, alguma marca, mesmo que pequena que o seja
Tornar-se inesquecível
Sonhos grandiosos

As batalhas ganhas, me deixam a sensação que sobrevivi
O que eu não queria desde os doze anos de idade
Era sobreviver, sonhava com mais , muito mais.

Sobreviver é pouco, é ridículo, seres humanos que somos não podemos , não devemos .
Sobreviver a essa vida, é tornar-se nulo, é ser mais um , não falo em riquezas materiais, tería que ser muito mais.

Estão vendo como é difícil explicar quem sou eu?

Nem eu consigo
Apenas digo que nessa vida fui manipulador, controlador, trabalhador, amante, amado, pai, fiel , de boa índole, só não consegui me superar, apenas sobrevivi .

E hoje, aos 52 anos, deveria estar pensando :
Aposentadoria
Vida tranquila
Curtir momentos reservados a quem trabalhou muito
Viajar, ser avô, brincar com o neto, dançar, andar na praia, até beber ..
Quem sabe, rezar porque não ?
E com certo conforto aguardar o fim chegar com tranquilidade.

Seria o fim perfeito da auto-biografia, mas ainda não consegui explicar quem sou eu ...

Sou o que tem vontades, apesar dos pesares
Que não se satisfaz
Que sente falta
Que não está pronto
Que nada sabe, um inculto dentro do meu vasto conhecimento
Que precisa conhecer meus eus que tanto me acompanharam nessa vida, e nada sei sobre eles
Que quer criar novos sonhos, novas realidades
Que quer voar
Que quer aprender a amar e ser amado
Que quer crescer
E que não sabe exactamente o que quer
Da confusão se faz a luz

Não sei o tempo que tenho para poder escrever as linhas finais de minha auto-biografia, mas, prometo a mim mesmo, que daqueles irrisórios caminhos abertos e abandonados quando estudante, ou, outros tantos caminhos que segui e não consegui romper, podem esperar, serão abertos com a força que tenho, vou trilha-los , abrirei com minhas próprias mãos se necessário for, mas seguirei não por ninguém, mas por mim mesmo.

Assim poderei , finalmente responder, quem sou eu .........