segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Pessoas













Pessoas
que tanto tenho
que nunca tenho
não se tem
não se possui
são pessoas

A minha procura intensa
Me leva a ter pessoas
Tento possuir, adquirir
E não leva a nada
Só constrangimentos

Talvez tenha decorrido tempo demais
Perceber que não é assim
A essência do que estou a procura
Não é o que estou a encontrar

Encontrei pessoas maravilhosas, inesquecíveis
Mas são pessoas que pertencem a outros ou outras
Ou ainda mais, pertencem-se

E na minha ousadia de querer pertencer
Vivo no abismo de não ser
Não pertenço

Cansaço
Irritação
Tristeza
Incompetência

Queria poder ajudar o mundo
As pessoas
Se isso me fizesse um ser que pertence

Abro mão de pertencer a quem quer que seja
Na forma que estava a fazer

A solidão resultante
Fará o efeito necessário para a reflexão
De que sou um ser humano
A procura da entrega e não de adquirir

Poderei finalmente descansar
Àqueles que se aproximarem ou eu me aproximar
Serão bem vindos, eu os aceito e sou aceito

Vou aprender
Fluriei
Inocente serei










Iniciei errado