segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Refazendo caminhos

Entre tantos afazeres nesta tarde
Permito-me tempo para poder estar aqui
Comigo mesmo
Refazendo meus caminhos

Não ando exactamente me escutando
Deixo minhas intuições de lado
Sei do perigo que corro
Quando não me escuto

A velocidade com que vem acontecendo os fatos
Atropelam minha coerência tão peculiar ao meu ser

Hoje senti a emoção da alta velocidade de uma moto que amo tanto
Sentado em uma mesa de escritório
Eram tantas as coisas a fazer,
Não me contive, deixei tudo por fazer


Meu tempo não é meu, não o tenho , não me pertence
Pertence a todos
A vida sim ! é minha, essa esvai-se no tempo

Refazendo não, destruindo para renascer
Não tem mais como se refazer
Simplesmente renascer