domingo, 7 de junho de 2009

Brandamente em silêncio

Devo ter dormido com o pijama ao contrário
Como diziam os antigos
Pois, agora estou acordado depois de horas de sono
E o que fazer as três da manhã
Sair, filminho, fazer um lanche

O celular silencioso
Os mesmos telefonemas de horas atrás
Enfim, terminei meu "dia" perfeitamente especial
Dormindo rs rs rs

Nada que não sobreviva, e até ache graça
E o domingo, sem compromissos
Anos se passaram , e vejo como é interessante essa tranquilidade
Exagerada, para quem estava acostumado sempre a algo fazer

E essa conversa que estou a fazer , na real é ver o tempo passar
Sono novamente chegar
À espera do amanhã, sem sentimentos de "uis" ou que "chato"
Sempre disse a uma amiga, que não sair no sábado não era o fim do mundo
E estou a cumprir minhas convicções

Momento em que um sim vamos, ou um não
Não me despedaçam, ou deixam ansioso
É questão de tempo, as linhas de destino cruzam
E o inevitável acontece mansamente

Houve épocas que acreditava que certas forças me levavam a algo
Agora entendo, concretizaram de uma forma esplendorosa
Vestes brancas que fascinam
Sei do que falo, das consequências, e do alcance
Aguardemos que a liberdade por si só , demonstre quanto é voluvel
E brandamente em silêncio
Fluira a vida que desejamos