segunda-feira, 1 de junho de 2009

Doce mistério II

Fase que a vida se torna mais real
Não podemos deixar que os acontecimentos nos tragam surpresas desagradáveis
Mistérios sim, surpresas desagradáveis não !
Como faze-lo, não parece tão fácil quanto imagino
Talvez uma boa dose de bom senso e percepção do que nos envolve
Outra dose de humildade e resignação ao inevitável
Seja a fórmula para se viver melhor

Quanto aos mistérios, estes sim, devemos aproveitar ao máximo
Doses intensas , inesgotáveis
Que nos façam sempre prontos a recomeçar
Não sabendo por onde nem como

Desvenda-los a cada novo dia
Fará que vivamos intensamente os momentos
De arrepios ao êxtase
Não existirá dias iguais e nem sentimentos mornos

A vida nos é um mistério
Foi nos dada de presente
E com a rotina, abrimos mão das descobertas
Nos contentamos com o conhecido
Não nos arriscamos

Dizem as vozes boas
Siga por ali, por aqui, como se isso nos trouxesse satisfação
Até gratidão por trilhar caminhos conhecidos
Não, eu me revolto, não sigo
Seguia sim !!!
Hoje não mais, quero mistérios que a vida dá
E deles me deliciar

Outras vozes diriam
Arrisca-se demais !!
Sim , vou me arriscar o resto da minha vida
Mistérios revelarei
Dores , sofrimentos, já nos é dado pelos caminhos certos
Então, porque não arriscar e ter o prazer da descoberta
Seja ela qual ou forma que for

Com toda racionalidade que conseguir ainda ter
Buscarei mistérios
E neles aprofundarei minhas vontades
E deles viverei
Que seja por um segundo ou por todo sempre

Desculpe-me vozes a ecoar
Sigo por onde meus passos me levarem
E o destino selarei
Doce mistério