domingo, 14 de junho de 2009

Reconstruindo conceitos



Devaneios que aqui escrevo, é para expurgar e expor a alma
Essa que tão pouco conheço
Que os anos foram deixando-a opaca
Como se vida própria não tivesse

E desta forma, nas contradições e assertivas eu a delineio em meus delírios
Leve vislumbre do que um dia fora

Conhecimento que não havia por muito tempo se manifestado necessário
E neste momento vem com a força de um furacão
Destruindo conceitos há tanto tempo estabelecidos da minha forma lógica de viver
Conceito de tranquilidade, deixa estar, vai melhorar, é assim mesmo ...

Sinto-a vibrar como se sua manifestação fosse um aviso
Não podemos permitir viver e não conhecer
Destrua seus castelos de sonhos e fantasias
Há dores nessa busca, descobertas agoniantes

Após esse processo, estaremos tão próximos de nós mesmos
Que a felicidade de simplesmente viver nos basta
Não há mais dores ou agonias
E a alma que num passado próximo estava tão sem vida
Sua luz cegará com o conhecimento adquirido

Assim estarás preparado a reconstruir seus castelos de sonhos
E deles partilhar e almejar um futuro de sonhos realizados