terça-feira, 23 de junho de 2009

Vilão ?



Como sinto ou não sinto
Não vem ao caso
Já não o é a muito tempo

Palavras, devaneios, não fazem diferença
Não concerto ou acerto
Sou o vilão que não sabe em que parte da história entrou
Vestido de roupas espalhafatosas, talvez coloridas demais
Vai saber

Sem sentido , se fazem
O que fazer
Nada a fazer

Pensamentos e ações que não conduzem
Deduzem o que não é
Até que ponto posso ser, o que não sou
Ainda não sei

Estranho o papel desse vilão, que não tem coração
Entranhas que nada dizem
Cala-te no silêncio vilão
Nadas pode , aceite o papel como está
Não poderá mudá-lo , já tentastes tantas vezes
Reflita vilão

Suba ao palco, despoje de tuas roupas
E as coloridas com chapéu te servirão
Decline e aceite as pinturas
Sorria o espectáculo começarão
Piruetas lhe servirão
E risadas provocarão
Não és mais o vilão