segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Tão longe

 

Outro dia a grama estava próxima

Quase me senti a vontade

A esperança era verde, hoje cinza

Não conseguia aproximar-me

A distância tão presente

 

Outra noite, as palavras fluíam como sempre

Lia com detalhe e me comovia

Tentei pensar em soluções

E do nada, a cor cinza da desesperança

Vingou

Palavras perderam o sentido

A distância estava tão presente

 

Outro dia, nesses 54 anos, sempre estive presente

Soluções aqui ou acolá

E não notei, a desesperança

E a distância tão presente

 

Sou antagônico

Presente e distante

A existência torna-se fluída

Polos desatados

 

A distância sobreviverá?

Ou caminharei ….

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Somos fortes

 

Fascinante

Palavra que melhor descreve, o ser humano

Derrubado, liquidado, e ainda assim, seus olhos a chama da vida brilha.

Partes do seu corpo não existem mais, debilitado, abandonado,  não há como descrever tal situação

Seus quase 80 anos lhe tiraram o vigor físico, a exigência da sobrevivência o fez enrugar sob o sol.

Quieto em seu canto, meio olhos , respiração curta, observo com cuidado, com medo que minha presença o assuste.

A fragilidade que apresenta me faz pensar na morte em vida.

Cadeira vazia ao lado, pintura descascada, forma a cena, ali me sento, ainda em silencio.

Arrisco Boa tarde em tom de voz , um tanto rouco e baixo.

Suas pálpebras tremem ao som da minha voz,

Fico admirado com o olhar firme e sorriso sem dentes, fico pasmo, com a transformação, a vida estava lá, independente de sua sorte.

Ri com a retribuição , com apenas “Tarde”.

Pergunto-lhe como vai, “vai como Deus quer”, sem melancolia.

E a tarde esvai-se em conversa da sabedoria da vivencia ou sobrevivencia.

Despeço-me, com abraço que não estava acostumado, forte e sincero.

Boa noite, e já esperei a retribuição econômica “Noite”

Parece-me que tecer comentários sobre a experiência , é desnecessária, fica a lição de que quando não queremos ser vencidos, nunca seremos.

Boa noite, “Noite”

 

.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

O que vai fazer do resto da tua vida ?

 

Tem certas perguntas, que se repetem no decorrer do tempo

Já tinha 18 anos e alguém me perguntou ?

“O que vai fazer do resto da tua vida”

Respondi com a clareza de jovem idealista , que tentaria mudar o mundo, que não iria me sentar e deixar que as coisas acontecerem, eu queria fazer parte do processo, e por aí afora…

Aos 30 a mesma pergunta

Respondi com a clareza de um idealista que havia trocado suas convicções , por um bom emprego, estabilidade, casamento, filho, que pouco queria, apenas o carro bom, casa, e certa tranquilidade financeira a fim de dar educação a filha.

Aos 45 …

Respondi com certo cansaço de ideais perdidos, que aguardava a aposentadoria, e que poderia finalmente fazer algo diferente, poder almejar ser grande homem, pois, temos exemplos de tantos que começaram a vida nesta idade

Aos 52…

Respondi que já não me lembrava dos meus ideais, ou de onde vim, apenas, queria viver um dia de cada vez, sorver cada gota, até a última.

Aos dias de hoje, 54 anos…

Tenho a tranquilidade financeira almejada, trabalho 18 hrs por dia, não tenho tempo para o hoje, e nem memória para o amanhã.

Faço caridade aleatória como se isso pudesse de alguma forma, substituir os ideais perdidos.

Arrisco-me sem remorsos, não há espaço para pesadelos, arrependimentos ou coisa que o valha.

Não ha tristeza nem melancolia

Recebo cada dia ainda com a alegria de criança, contento-me com as possibilidades por mais que sejam insignificantes.

Ao limite sei que me aproximo, do corpo e alma.

Apago lembranças com a escuridão do não pensar, sem deixar de existir.

E o que farei com o resto da minha vida ?

Será preciso responder :

Faço o melhor que sempre fiz, sei que é dolorido para muitos não alcançar o cume de algum propósito, eu me satisfaço em estar aqui, se existe um resto a viver, que seja do meu jeito.

Não sei se reponde a questão, mas, viverei do meu jeito, seja por um minuto ou por anos, afinal, posso ainda dormir  e acordar sendo eu mesmo, esta vida é minha , indelegável, e nem por isso sou ser solitário, mas, me pertenço, não de uma forma egoísta mas realista.

Mudar como forma de arrependimento pelos dias que se foram?

Não tenho necessidade, estou em paz com que fiz, quanto ao “resto”, quem sabe.

Meus amigos, é dolorido viver , mas, viver arrependido é degradante e corroí a alma.

E, finalmente, a forma que sempre tive em mente nestes últimos tempos, é que meus sonhos são do meu tamanho, e obviamente, quanto mais cresço , meus sonhos evoluem.

Não há espaço para decepção.

 

.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Observo a noite

 

Assisti o filme

Noite fria

Vazio

Caminhar ao rumo dos pensamentos

Incomodado com as imagens que ainda me perturbam

Café , um pão com queijo

Cigarro

Ruas vazias

Sensação de espanto

O Senhorio do prédio arrumando algo

O guarda sem vontade de apitar

A moça e seus passos apressados

Pessoas

O tom cinza das pedras

Luzes solitárias

Escadarias e seus segredos

Arvores enegrecidas

Meus passos em destino duvidoso

A noite

Fantasmas me acompanham

Lua, eterna cumplice

Cartaz descolorido

Sem sentido, levo-me

Abandono meus eternos mistérios

Observador da noite

Não creio

 

Queria acreditar

Não importa em que ou como

Só acreditar

 

Ter certezas, imutáveis

Como se Deus fosse

Filho Dele sou

 

Insignificante sinto-me

Despertar de receios

 

Vivo a cada dia , com certezas que me levam ao final do dia

Nada mais

 

Será que é preciso transformar esta árvore velha

Desfolha-lá, corta-lá, arrancar suas raízes

Replantar no alto da colina

E vislumbrar o horizonte em nova perspectiva?

 

Horizonte, é linha invisível

Arco íris , colorido, sem começo e fim

O mar é curvo

O céu é infinito

E eu?

Tão humano ou tão pouco humano

Não sei confesso

 

Insisto só queria crer

Ainda fecharei os olhos, com a tranquilidade dos heróis

 

Sou , como sempre digo, nem mais , nem menos, do que posso ser

Acreditando ou não

E com a esperança que no final , tudo se resolverá

 

Então creio em final feliz

Pois, ele ocorrerá de um jeito ou de outro

Enquanto isso, vivemos

Aguardando o final , a musica perfeita, imagens lindas

The End.