domingo, 27 de maio de 2012

Folhas verdes


Falar sobre a vida é fácil
Descrever as desesperanças é difícil

Seguir é preciso coragem
Parar é passado
Futuro faço de novo, de novo...

Há portas que se abrem em devaneios
E se fecham pelos mesmos motivos

E o medo?
Está presente!

Os momentos ficam levemente borrados pelo tempo

A entrega incondicional é o sonhar sob as estrelas, e acreditar que pode alcança-las com o toque suave dos dedos.

E finalmente a dor que sussurra,
Espetadas que nos fazem pensar que é possível conviver com o aperto no peito
Que o próximo dia será tempo de viver

Enfim, nem todas arvores da floresta florescem, não haverá primavera e o outono nos aguarda, e sob os pés folhas secas crepitam aos passos, lembrando que um dia foram verde.
E meus olhos ainda procuram, entre tantas, a que possa florescer nesta paisagem sem cor.

.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Sei lá


Ha momentos nos deixamos levar, a brisa é leve e quente, pensamentos fluem, amanhã é tão distante, o hoje nem sei, dos segundos faço meu caminho, passos preguiçosos, não há pressa em chegar, sei lá.

Gosto da minha vida ao amanhecer e entardecer, não há melancolia, só admiração pela imensidão do universo manifesta naqueles instantes.

A coragem hoje languida e esfumaçada faz meus pensamentos turvos, sem sentido, à espera que eu fosse mais do que pudesse ser, como se isso fosse possível.

O tempo me fez as marcas que não foram delineadas, não as tenho, os espelhos não me ajudam, e olhos bondosos me fazem acreditar que além poderia ser.

A nevoa ainda esta lá, ruído do mar, o cais vazio e a partida tão certa como meu olhar no horizonte vazio.

A chuva fria acorda meus sentidos, e ainda com as mãos nos bolsos retorno a realidade dos pés molhados e lembranças acompanham-me de braços dados.

Sorriso perdido ao mar.

sábado, 19 de maio de 2012

Talvez nem tenha acordado ainda.


Bom diaaaaaaaaaaaaaaaa

Sei lá porque, mas acordei lembrando da teoria da relatividade, que os físicos modernos afirmam ser real:

Einstein. ... 'dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo'.

Em contrapartida, li algo sobre quarta dimensão, que permite contradizer a teoria de Einstein.

'dois corpos que se encontram na mesma dimensão, não podem ocupar o mesmo lugar no espaço. Porém dois corpos que se encontram em dimensões diferentes podem ocupar o mesmo lugar no espaço'

O que me leva de novo ao grande cientista,
Albert Einstein: ‘Quem não admite o mistério insondável não pode ser nem mesmo um cientista.

E ai? 
O que tem isso com a tua vida, exatamente não sei, posso relativizar e dizer, que enquanto acho que sou sonho posso ser real.

Talvez nem tenha acordado ainda.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Palavras ditas ou ‘mal’ ditas


Palavras ditas ou ‘mal’ ditas
Corro ao desencontro
A inexplicável razão de não ser
60 segundos bastam à inexistência
Portas a abrir, são tantas!
A preguiça faz com que os movimentos sejam longos e tardios
Não sou dono das verdades, nem das vontades, e muito menos das certezas.
Assim imagino tudo em minha vida, necessariamente intenso, me faz lembrar lindas palavras do ‘agir pelo coração’, emoção à flor da pele, a razão e lógica reservamos aos enfadonhos afazeres do dia a dia, no mais serei inconstante, galgo a montanha, estendo à mão, e se for o caso vou embora e levo comigo os significados, estes sim, são meus, eternamente.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

O sonhador




Posso escrever ou descrever a desesperança
Posso sentir a falta do amanhecer ou anoitecer
Posso sim, enaltecer o possível e desprezar o impossível.
Posso também, deixar que a onda me leve.
Posso ainda aquecer-me ao sol no banco de praça deixando a vida passar.
E finalmente!
Posso desistir dos heroicos sonhos, abrir mão de moinhos de vento, deixar-me levar como cavaleiro que vencido foi, sem lembranças ou historias a contar.
Deitar-se e descansar.
Aqui jaz
 ‘O sonhador’