domingo, 30 de setembro de 2012

Somos sonhos








Delicadamente sinto que, irremediavelmente sou  sonhos
Da areia à forma,  água e vento
Não temos!
Somos sonhos

Somos sonhos


Aos Virgens, para aproveitarem o Tempo  (Robert Herrick)


Colham as rosas enquanto podem,
O Tempo passa voando;
E a flor que sorri agora,
Amanhã cai murchando.
.

O sol, glorioso farol nos céus,
Alto elevando-se,
Em breve ao fim da jornada,
Logo vai declinando.
.

A melhor idade é a primeira,
Tendo no sangue os ardores;
Passa a mocidade, e os piores
Tempos afastam os melhores.
.

Não sejam tímidos, usem o Tempo,
E, enquanto podem, sejam amados:
Tendo perdido os primores,
Ficarão sempre atrasados.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Nada do que foi será





Psiuuu !

Sabes do que estou falando !
Assim agi.

Trate as pessoas como se elas fossem o que poderiam ser e você as ajudará a se tornarem aquilo que são capazes de ser.     (Johann Wolfgang von Goethe)

Sabes que nada será igual novamente

Nada do que foi será
De novo do jeito que já foi um dia
Tudo passa
Tudo sempre passará

A vida vem em ondas
Como um mar
Num indo e vindo infinito

Tudo que se vê não é
Igual ao que a gente
Viu há um segundo
Tudo muda o tempo todo
No mundo

Não adianta fugir
Nem mentir
Pra si mesmo agora
Há tanta vida lá fora
Aqui dentro sempre
Como uma onda no mar  (Lulu Santos)

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

És tudo





Continues como tu és
Não mude por mudar

És autêntico, mesmo que sejas distante.
És coração, mesmo que não seja entendido.


És fugaz
És etéreo
És instante
És reflexo

És átomo
És quase nada

És tudo
 

Autobiografia




Autobiografia

Escrever verdades sobre si mesmo, é mais difícil do que escrever mentiras de outrem.

O subterfúgio da fantasia torna o relato impessoal, apesar de ser mero invólucro de verdades e desejos disfarçados.

As entrelinhas  tem sabor de frases que se calam, acovardado pelo receio de se expor.

Corajosos e privilegiados autores!
Poucos!
Que
Escrevem as entrelinhas .   (F.Shook)

sábado, 15 de setembro de 2012

Meu melhor







Você está no meu coração como estou no seu, na mesma proporção,
e lhe digo,
tu és o meu melhor filha.

domingo, 9 de setembro de 2012

Relembrando textos de ‘Neruda’



Relembrando textos de ‘Neruda’

Hoje nasci com sensação de estar a entregar suavemente e delicadamente a vida e a morte, sem diferenciações.

Desejo estar :

Indignado e maluco

Apaixonado e tolo

Impulsivo e realizador

E totalmente e irremediavelmente sonhador.

Desejo voar como d’antes...
F. Shook



Pablo Neruda
Morre lentamente,
quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música,
quem não encontra graça em si mesmo.

Morre lentamente,
quem destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar.


Morre lentamente,
quem se transforma em escravo do hábito,
repetindo todos os dias os mesmos trajetos, quem não muda de marca,
não se arrisca a vestir uma nova cor, ou não conversa com quem não conhece.

Morre lentamente,
quem faz da televisão o seu guru.

Morre lentamente,
quem evita uma paixão,
quem prefere o negro sobre o branco e
os pontos sobre os "is" em detrimento de um redemoinho de emoções, justamente as que resgatam o brilho dos olhos,
sorrisos dos bocejos,
corações aos tropeços e sentimentos.

Morre lentamente,
quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho,
quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho,
quem não se permite pelo menos uma vez na vida fugir dos conselhos sensatos.

Morre lentamente,
quem passa os dias queixando-se da sua má sorte ou da chuva incessante.

Morre lentamente,
quem abandona um projeto antes de iniciá-lo,
não pergunta sobre um assunto que desconhece,
ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.


Evitemos a morte em doses suaves,
recordando sempre que estar vivo
exige um esforço muito maior que o simples facto de respirar.