quarta-feira, 13 de março de 2013

Nem burro sou




Prendo-me à linguagem, e nesta forma descrevo a premente necessidade de me fazer entender.
De nada adianta!
Apelo à imagem, esperando retratar gritos em plácidas fotos.
De nada adianta!
Torno-me linhas e traços que retorcidos de tanto esperar, já não cabem em meu pensar. (F.Shook)