quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Deixei de ser super-herói





Ainda de madrugada e recém acordado com a frase buzinando à mente, “deixei de ser super-herói”

Sintomas de humanidade que venho sofrendo ultimamente, afastando-me de sonhos e impondo a realidade.

Meu corpo sente dores

A vivacidade do olhar perdeu-se

A velocidade do fazer cedeu

A crença de combater o mal transformou em descrença

Minhas infinitas possibilidades, tornaram-se finitas

Deixei a história que acreditava viver pela realidade que ‘creditam’ no meu viver

Não há lançamentos só a finda espera

Não nego que esperava algum dia acordar como os demais

Estranha sensação, “ser humano”.


F.Shook